Destaques, Notícias

Mulheres mais altas correm mais risco de desenvolver câncer

publicado em 22 de agosto de 2013

Cada 10 cm a mais na altura aumenta chances em 13%, apontam autores

Altura tem ligação com vários tipos de câncer

Altura tem ligação com vários tipos de câncer

Mulheres mais altas têm maior risco de desenvolver vários tipos de câncer, segundo um novo estudo americano publicado nesta quinta-feira (25), na revista “Cancer Epidemiology”.

Para fazer essa análise, os pesquisadores estudaram quase 145 mil mulheres entre 50 e 79 anos, todas após a menopausa, e viram a relação da altura com 19 tipos diferentes de câncer.

Os cientistas descobriram que, a cada 10 cm a mais na altura, há um risco 13% maior de a pessoa desenvolver câncer. Em alguns casos, as mulheres mais altas tiveram probabilidade de 23% a 29% maior de desenvolver câncer de rim, reto, tireoide e sangue, a cada 10 cm adicionais.

“Em última instância, o câncer é resultado de um processo relacionado ao crescimento, e faz sentido que os hormônios ou outros fatores de crescimento que influenciam na altura também afetem o risco de câncer”, afirmou o principal autor da pesquisa, Geoffrey Kabat, epidemiologista do Albert Einstein College of Medicine, da Universidade de Yeshiva, em Nova York.

Depois de 12 anos acompanhando mulheres que, no início do estudo, não tinham câncer, os autores encontraram vínculos entre alturas maiores e uma maior possibilidade de desenvolver câncer de mama, colo, endométrio, rim, ovário, reto, tireoide, mieloma (câncer nas células plasmáticas da medula óssea) e melanoma (câncer de pele).

O vínculo com a altura permaneceu inclusive depois de os cientistas ajustarem fatores que podem influenciar essas doenças, como idade, peso, educação, fumo, consumo de álcool ou terapia hormonal.

“Estamos surpresos com a quantidade de cânceres associada à altura”, acrescentou Kabat.

Nenhum dos cânceres estudados mostrou um menor risco relacionado com uma altura maior. O estudo também não estabeleceu um nível de altura em que o risco da doença começa a aumentar.

Kabat afirmou, ainda, que é importante lembrar que o aumento do risco é pequeno. “É necessário levar em conta que aspectos como idade, tabagismo, índice de massa corporal (IMC) e outros fatores têm efeitos muito mais consideráveis”, disse.

“A associação da altura com vários tipos de câncer sugere que as exposições, nos primeiros momentos da vida, incluindo a nutrição, desempenham um papel na hora de influenciar o risco de uma pessoa sofrer com a doença”, completou.

Fonte: R7.com