Destaques, Notícias

Brasil já conta com tratamento revolucionário para combater câncer de pele

publicado em 4 de março de 2013

Protetor solarSegundo projeções do Instituto Nacional do Câncer (INCA), até o final de 2013 serão diagnosticados no País em torno de 6.000 novos casos de câncer de pele melanoma e 134.000 do tipo não-melanoma. O que muitos brasileiros não sabem é que, quando detectado precocemente, a doença apresenta altos índices de cura. E o Brasil está mais do que preparado para lidar com essa enfermidade. A resposta está em duas palavras: terapia fotodinâmica.

Os benefícios comprovados da ação de emissores de luz LED nas lesões tumorais do tipo não-melanoma estimularam o Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da USP, a desenvolver, em parceria com uma empresa especializada em equipamentos ópticos e fotônicos, um aparelho revolucionário no tratamento da doença. Único no mundo, o equipamento, já registrado e certificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), comporta em uma única plataforma tecnologias para detecção e tratamento do câncer de pele. Em outras palavras, acabou a agonia gerada pela espera do resultado. E acabou também a necessidade de lesionar o paciente para a realização da biópsia.

O processo é simples: no próprio consultório médico, a doença poderá ser diagnosticada através de um conjunto óptico de fonte de luz LED ultravioleta (contido no equipamento) que reconhece as lesões tumorais por meio da fluorescência óptica. “Esse sistema permite que, em poucos minutos, o médico verifique a ocorrência e a real extensão da lesão”, explica Fernando Mendonça Ribeiro, diretor da MM Optics, empresa parceira no desenvolvimento da tecnologia e responsável pela fabricação do equipamento.

Uma vez diagnosticada a doença, o início do tratamento pode começar poucas horas depois. Para isso, o profissional aplica no paciente uma espécie de pomada que irá reagir com a segunda tecnologia contida no equipamento (denominado Lince), a fonte de luz LED vermelha de alta potência, gerando uma fotorreação que levará as células cancerígenas à morte. “É um tratamento rápido, indolor e de alta eficiência. Durante a fase de testes o índice de cura foi superior a 90%, porcentagem que está sendo mantida durante o programa de combate à doença”, revela Ribeiro.

O programa citado pelo diretor da MM Optics, denominado Terapia Fotodinâmica Brasil, está em curso desde o final de 2011 e já tratou com o Lince mais de 1.000 pacientes em território nacional. Ele pode ser visto como uma contrapartida da empresa e do IFSC/USP São Carlos pelos aportes conquistados durante o desenvolvimento do projeto: da Finep, a MM Optics conquistou R$ 2,3 milhões para o desenvolvimento do Lince; já o IFSC obteve R$ 3, 5 milhões do BNDES para coordenar o programa, treinar profissionais e realizar todos os ensaios clínicos e análise de resultados. “O objetivo é tratar 8.000 portadores da doença no Brasil. Para isso, estamos finalizando a entrega de 100 equipamentos para centros médicos espalhados por todo o País”, explica Ribeiro.

O próximo passo do programa será a inauguração de um Centro de Terapia Fotodinâmica nas dependências do Hospital Amaral Carvalho, entidade referência nacional no tratamento do câncer localizada em Jaú, interior de São Paulo. “Este centro deverá ser inaugurado no início de março. Além do tratamento da doença, ele será um espaço para treinamento dos médicos e divulgação da tecnologia”, finaliza o diretor da MM Optics.

Fonte: Portal Novidade